segunda-feira, 24 de abril de 2017

MES DA FAMILIA - IGREJA BATISTA DO CALVÁRIO

Ler a Bíblia fortaleceu minha fé e me aproximou de Deus, afirma atriz Karina Bacchi

Karina Bacchi é atriz e apresentadora, com uma carreira extensa na televisão, com passagens por Globo, SBT e Record TV, e numa entrevista recente, afirmou que a leitura da Bíblia Sagrada é seu meio de aproximação com Deus.
Aos 40 anos e grávida de cinco meses, Karina Bacchi assistiu ao filme A Cabana na pré-estreia, em São Paulo, e falou sobre sua espiritualidade e fé, e revelou ser uma leitora habitual das Escrituras.
“Com o passar dos anos, a experiência e a maturidade fazem com que a gente perceba a importância da fé em nossa vida, o quanto faz diferença e o quanto é necessário. A gente passa a ter mais responsabilidades, os dias passam a ser mais difíceis, a gente perde um pouco aquela ilusão da adolescência de que tudo é lindo”, disse, em entrevista ao portal Guia-me.
A atriz e apresentadora revelou que em 2012 perdeu seu único irmão, o músico Alexandre Bacchi, e isso trouxe sofrimento a ela, mas não o suficiente para abalar sua fé: “Eu fico triste de ver pessoas sem fé, porque é isso que realmente me traz

sexta-feira, 21 de abril de 2017

MEU RELACIONAMENTO COM DEUS: UMA RELAÇÂO DE OBEDIENECIA? – AULA 93 - LIÇÃO - 3 - FASE 3 -15.03-2017

                                                                                    INTRODUÇÃO

Vivemos um momento interessante da igreja evangélica no Brasil. De um lado verificamos, com muita alegria, a tremenda abertura ao evangelho e o grande número de conversões em nosso país. Muitos se “convertem” pensando apenas nas vantagens que poderão alcançar. Claro que as bênçãos acompanham os verdadeiros convertidos. Mas por outro lado, a mesma facilidade não se verifica na fase seguinte após a conversão, a fase do discipulado. Há uma imensa dificuldade de mudança e uma clara resistência a uma obediência radical a Cristo e seus mandamentos. Ou seja, vivemos numa época ambígua e perigosa, onde é fácil “converter”, desde que não se exija mudança de comportamento e compromisso com Cristo.

Precisamos abordar este assunto, porque talvez muitos estejam vivendo um engano muito sério. Talvez não estejam vivendo uma verdadeira experiência com Deus. Talvez não entenderam a verdadeira mensagem do evangelho de Cristo, que tem como base o fato de que Jesus Cristo é o Senhor absoluto daqueles que desejam segui-lo. Vamos estudar este assunto com cuidado:

DESENVOLVIMENTO DO ENSINO

Textos-base: Mateus 7:21-23 e João 14:21
1. Jesus Cristo é o Senhor

A queda do homem relatada em Gênesis capitulo 3 foi causada fundamentalmente pela desobediência do homem a Deus. Adão e Eva, na verdade, estavam fazendo uma escolha, que sabemos foi catastrófica, tanto para eles quanto para toda a humanidade. Quando pecaram contra Deus, estavam afirmando a sua escolha: não queriam mais que Deus reinasse sobre a vida deles.

Por isso, quando Pedro pregou a primeira mensagem evangelística de sua vida e da igreja (Atos 2:14-36), ele apresenta Jesus como Senhor (“Kurios”, aquele a quem uma pessoa ou coisas pertence, sobre o qual ele tem o poder de decisão; Mestre, Senhor). Estava deixando bem claro, sem rodeios, que receber a Cristo seria tremendo. Receberiam o perdão dos pecados, seriam batizados, fariam parte da abençoada família de Deus, mas estariam fazendo uma decisão de ter agora Cristo como senhor e dono de suas vidas. Quando Paulo prega ao carcereiro em Atos 16, o desafia a crer no Senhor (“Kurios”) Jesus para ser salvo. Em Filipenses 2:11, Paulo afirma que um dia toda língua confessará que Jesus Cristo é o

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Células tumorais expostas à sinfonia de Beethoven morreram ou diminuíram de tamanho

A ciência já comprovou que ouvir música não serve apenas para se acalmar e relaxar – ela pode trazer uma série de benefícios para a saúde.
Ao expor células MCF-7, ligadas ao câncer de mama, à Quinta Sinfonia de Beethoven, cientistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro descobriram que algumas morreram e outras diminuíram consideravelmente de tamanho.
O experimento também colocou as células sob a influência de outras duas músicas clássicas. “Atmosphères”, do húngaro György Ligeti, causou resultados bem semelhantes ao da sinfonia. Mas “Sonata para dois pianos em ré maior”, de Mozart, não gerou nenhuma mudança.
A próxima etapa da pesquisa é entender exatamente o que aconteceu para que as células morressem ou diminuíssem de tamanho. Assim que for possível reconhecer, eles deverão construir uma sequência sonora especial para tratar os tumores. A intenção é que os pacientes possam tratar o câncer de uma forma menos agressiva.

Fonte:https://br.yahoo.com/noticias/celulas-tumorais-expostas-sinfonia-de-beethoven-morreram-ou-diminuiram-de-tamanho-213523346.html

domingo, 16 de abril de 2017

Morre aos 117 anos a italiana Emma Morano, última sobrevivente do século XIX

A italiana Emma Morano, a última sobrevivente conhecida do século XIX e supostamente a mulher mais idosa da humanidade, morreu neste sábado em sua residência em Verbania (norte), aos 117 anos e 137 dias, anunciou a imprensa local.
"Ela teve uma vida extraordinária e sempre nos recordaremos de sua força por seguir adiante", declarou o prefeito de Verbania, citado pela imprensa.
Segundo o Gerontology Research Group (GRG), um grupo americano que busca e certifica as pessoas mais idosas do mundo, a decana da humanidade agora é uma jamaicana, Violet Brown, nascida em 10 de março de 1900.
O mesmo grupo afirmava que Emma Morano, nascida em 29 de novembro de 1899, era a última pessoa conhecida nascida antes de 1900.
Morano, uma mulher obstinada e independente que conservou sua autonomia até os 115 anos, atribuía sua longevidade a décadas de celibato e seu regime improvável: três ovos diarios durante quase um século.
Ao longo de sua vida, testemunhou a passagem de 11 papas, três reis da Itália e 12 presidentes da República, mas não chegou a superar o recorde absoluto da francesa Jeanne Calment, que viveu até os 122 anos.
Seu primeiro amor desapareceu durante a Primeira Guerra Mundial, e acabou se separando de um marido violento após a morte de seu único filho com poucos meses. Isso foi em 1938, três décadas antes da aprovação da lei do divórcio na Itália.
A partir desse momento, viveu sozinha, em um momento em que isso não era comum, e trabalhou até os 75 anos em uma fábrica de bolsas.
Aos 115 anos, decidiu aceitar a ajuda de uma enfermeira em tempo integral.
Em novembro de 2016 recebeu a AFP em seu apartamento, entre um armário repleto de caixas de papelão, uma série de imagens religiosas, seu diploma de "Decana da Humanidade" do Guinness World Records e uma fotografia dela com seu

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Quais os dias da morte e da ressurreição de Jesus?

Essa é uma questão bem interessante e que deixa muitas pessoas em dúvida. Como Jesus pode ter ressuscitado ao terceiro dia se Ele morreu na sexta-feira à tarde e ressuscitou na manhã de domingo?

Vamos analisar os fatos para encontrarmos a resposta, traçando uma pequena linha cronológica entre a morte e a ressurreição do Senhor Jesus Cristo.
(1) Jesus foi preso e levado perante Pôncio Pilatos antes da comemoração da Páscoa judaica. Antes do meio dia da sexta-feira foi o horário em que Jesus foi condenado e iniciou a Sua caminhada até o Calvário (João 19.14). Em Lucas 23.44-46 e em Marcos 15.33-34 vemos registrado que a morte de Jesus se deu por volta da hora nona, ou seja, por volta de três horas da tarde. Vemos também que os judeus que acompanhavam a crucificação não queriam que os corpos (de Jesus e dos ladrões crucificados ao lado dEle) ficassem ali na cruz por muito tempo para não atrapalhar a festa da Páscoa a ser realizada no dia seguinte (sábado), e solicitaram às autoridades que fossem tirados dali (João 19.31).

(2) Em João 20.1 vemos Maria Madalena indo até o sepulcro no primeiro dia da semana (domingo), mas Jesus não estava lá, pois havia ressuscitado. Sendo assim, fica claro na Bíblia que Jesus morreu por volta das três da tarde da sexta-feira e ressuscitou em algum momento na manhã do domingo.

(3) Podemos constatar que Jesus, antes de Sua morte, já havia revelado aos Seus discípulos que ressuscitaria no terceiro dia: “Desde esse tempo, começou Jesus Cristo a mostrar a seus discípulos que lhe era necessário seguir para Jerusalém e sofrer muitas coisas dos anciãos, dos principais sacerdotes e dos escribas, ser morto e ressuscitado no terceiro dia.” (Mateus 16.21). Em todos os quatro Evangelhos vemos registrado a fala de que Jesus ressuscitaria ao terceiro dia (Mateus 20.19; Marcos 10.34; João 2.19).

(4) A explicação para essa aparente contradição é que Jesus ressuscitou “ao terceiro dia” e não “três dias depois de sua morte”, o que implicaria que Ele ficasse morto por 72 horas. Era muito comum aos judeus considerar partes de um dia figuradamente como um dia completo. Por exemplo, no livro de Ester 4.3, vemos registrado que foi levantado um jejum por “três dias e três noites”, ao fim do qual Ester se apresentaria perante o rei para suplicar pelos judeus. Porém, vemos ali que eles começaram o jejum já com o dia em andamento e que Ester foi à presença do rei “ao terceiro dia” (Ester 5.1). Logo, esse período de jejum não foi de 72 horas completas. Da mesma forma, as palavras de Jesus de que ressuscitaria ao terceiro dia seguiram esse mesmo esquema.

(5) Então, para entendermos bem, ficou dessa forma: Jesus morreu na sexta-feira (primeiro dia), passou-se o sábado (segundo dia), chegou o domingo (terceiro dia). Daí, então, os escritos dizerem que Jesus ressuscitou “ao terceiro dia” e não “três dias depois de sua morte”. Dessa forma, não encontramos contradição na Bíblia com referência a esses fatos.

                                                                                                                       Fonte: Esboçando Ideias


quinta-feira, 13 de abril de 2017

O plano de Deus para você

1 - Deus ama você
"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele". (João 3:16 e 17)

“Visualize o momento. Deus em seu trono. Você na terra. E, entre você e Deus, suspenso entre você e o céu, está Cristo na cruz. Seus pecados foram colocados sobre Jesus. Deus, que pune o pecado, derrama sua ira de justiça sobre os nossos erros. Jesus sofre esta ira. Uma vez que Cristo está entre você e Deus, você não é atingido, mas salvo — salvo à sombra da cruz. (…) Pois esta é a amplitude do Seu amor. E este é o motivo da cruz. Ele ama o mundo.” (Extraído do livro Ele Escolheu os Cravos - Max Lucado)
2 - Deus quer você perto dEle
"Olhai para mim e sereis salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro". (Isaías 45:22).
Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em

terça-feira, 11 de abril de 2017

SÚPLICA DO PASTOR JOVEM

Pastor José dos Reis Pereira


Nesta noite, ó Senhor, sou consagrado ao ministério da tua Palavra e que tremendo encargo recebo em meus ombros; não fosse minha absoluta certeza de que tu me chamaste e não sei onde iria encontrar coragem para tanto; mas, ó Senhor, tu, que fechaste tão positivamente, diante de mim, todas as portas a que fui bater e, não olhando minha indignidade, minhas quedas e meus tropeços, me abriste bem larga e acolhedora a porta do ministério, ajuda-me a prosseguir neste caminho, dignificando sem cessar o teu nome e honrando minha vocação.

Temeroso é o meu trabalho: pastorear teu povo, com tão pouca experiência da vida, conduzir as ovelhas de meu Mestre, com tão poucas forças, quem ousaria tanto?

Anima-me, todavia, a certeza de que tu, ó Senhor, que me escolhes­te, serás meu amparo e fortaleza, e, ao dar agora o meu primeiro passo na estrada nova, permite que o dê com firmeza e decisão;

ajuda-me, ó Senhor, porque já vislumbro as vezes em que minha visão se obnubilará ante a poeira da jornada e de ti espero que me alimparás os olhos;

esclarece-me, Senhor, porque sou jovem, cheio de preconceitos e de idéias falsas, trabalhando pelo orgulho e pela vaidade; concede que esses inimigos, ao me assaltarem, não me vençam e que eu afaste por completo o desejo de dar na vista e de conquistar posições, contentan­do-me com o lugar que tu me deres e procurando discernir e cumprir a tua vontade;

auxilia-me a adiantar-me no saber, mas livra-me da presunção e que esteja"sempre pronto a reconhecer que, apesar de meus cursos e dos livros que ler, os outros podem muito bem ser mais

sexta-feira, 7 de abril de 2017

‘’LIVRES PARA O SENHOR’’

Em nossos dias contemplamos um cenário de mulheres (Desgastadas, derrotadas, desacreditadas, esgotadas, sobrecarregadas, confusas, instáveis, frustradas, inseguras, temerosas, solitárias, tensas, deprimidas, desencorajadas, envergonhadas e até mesmo suicidas). Essas características nos fazem pensar nos motivos que nos levaram a acreditar nessas qualidades, e quando pensamos no jardim do Éden,vimos que Eva, pela desobediência, tornou-se o retrato dessa mulher   ‘’aparentemente derrotada, porque Eva deu credito a Satanás, que  abruptamente atacou suas emoções.
Quão frustrante foi para Eva, sentir-se nua, derrotada, envergonhada um fracasso. Talvez você esteja se sentido como Eva, porque todas nós passamos por derrotas , fracassos e períodos tumultuosos, todos nós apresentamos um coração egoísta, voltado para nossas emoções e auto piedade. Mas quero encorajá-la a acreditar que há esperança, porque Deus projetou nosso futuro para o bem.
João 10;10 afirma: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham com plenitude’’.Essa afirmação nos leva a entender que, Jesus não nos proporcionou apenas força para enfrentar dificuldades, Ele deseja que realmente desfrutemos de uma vida plena, alegre. Jesus deseja que nos tornemos livres, e ao invés de ser infeliz, frustrada e escrava, Ele deseja que sejamos: ‘’ Livre, graciosa, confiante, amorosa, alegre, satisfeita, estável, serena, radiante.’’
Esse é o desejo de todas as mulheres, viverem essas qualidades e experimentarem a verdadeira liberdade, em Cristo.
Gálatas 5: 1 afirma que  “ Para a liberdade foi que Cristo nos libertou, portanto permanecei firmes e não vos submeteis novamente a um jugo de escravidão’’
Se Cristo afirma que nos chamou para a liberdade, logo um dia fomos escravas, sendo assim, vale pensarmos na origem dessa escravidão, o fato é que quando Eva pecou, antes de desobedecer a Deus, ela desobedeceu, porque acreditou na mentira de satanás, que antes, prometeu-lhe poder e saciedade.
Hoje seguimos os mesmos caminhos e muitas vezes não conseguimos ser verdadeiramente livres, porque acreditamos em mentiras:
Mentiras sobre nossas emoções, quando acreditamos que não conseguimos controla-las, (eu não consigo me controlar). E acreditamos que nossas vidas são realmente um fracasso e que não conseguimos superar problemas e dificuldades que advém sobre nós. Uma outra mentira é sobre a

quinta-feira, 6 de abril de 2017

MEU RELACIONAMENTO COM DEUS: UMA RELAÇÃO DE PAI E FILHO? – AULA 92 - LIÇÃO - 02 - FASE 3 -08.03-2017

                                       INTRODUÇÃO

Objetivos da lição:

                     Confirmar a decisão por Cristo de freqüentadores do Núcleo Familiar que estejam vacilantes na fé;

                     Confrontar amorosamente aqueles que se dizem cristãos, mas não manifestam sinais disso;
                     Fazer um apelo de salvação àqueles que ainda não receberam a Cristo.

DESENVOLVIMENTO DO ENSINO
          

1. Todos os homens foram criados por Deus, mas nem todos são filhos de Deus

Na cultura de nosso país, há o pensamento de que todos são filhos de Deus. Isso tem origem no Catolicismo, o qual, tanto na Idade Média quanto na atualidade, cria que o batismo tem o poder de salvar quem o recebe, tornando-o filho de Deus. Como boa parte de nós brasileiros fomos batizados na Igreja Católica quando crianças, conclui-se, de maneira generalizada, que todos sejamos filhos de Deus. Esse pensamento não está de acordo com a Bíblia, a Palavra de Deus. Ela não diz que o batismo tem poder regenerador, ou seja, de conceder o novo nascimento àquele que o recebe. Segundo a Bíblia, o batismo é uma ordenança de Jesus, que deve ser ministrada àqueles que crêem nEle (cf. Mc 16.16). A Palavra de Deus diz, sim, conforme Gênesis 1,2, que a humanidade foi criada por Deus, a partir de dois representantes, Adão e Eva. Sendo assim, todos somos criaturas de Deus. Para sermos filhos de Deus, há um indispensável pré-requisito.

2. Uma pessoa se torna filho de Deus através da fé em Jesus Cristo

A Bíblia diz, em João 1.12 (versão NVI): “Contudo, aos que o receberam, aos que creram no seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus”. Conforme esse texto bíblico, aquele que crê em Cristo tem o direito de se tornar filho de Deus. Vamos analisar essa afirmação por partes. Primeiramente, o que significa crer em Cristo? Crer é mais do que acreditar. Muitos acreditam que a história e as palavras de Cristo são verdadeiras e, nem por isso, são filhos de Deus. No contexto bíblico, crer tem o sentido de confiar. Crente, é aquele que confia na obra redentora realizada por Cristo na cruz e, por isso, se entrega a Ele. Em segundo lugar, esses, conforme dito, recebem o direito de se tornarem filhos de Deus. Isso quer dizer que o crente em Cristo, de maneira irrevogável, tem garantido para si o status de filho de Deus e todos os benefícios dessa posição. Quanto a isso, Romanos 8.17 diz: “Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo”. O crente em Cristo, como filho de Deus, é também herdeiro, tendo o direito de receber de Deus suas bençãos. Paulo fala sobre isso em Efésios 1.3, quando diz: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo”.

3. A marca de um filho de Deus: a nova vida

Se a fé é o pré-requisito para alguém se tornar filho de Deus, a nova vida é a evidência de que isso de fato aconteceu. A Bíblia diz, em 2 Coríntios 5.17: “E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas”. O crente em Cristo experimenta uma novidade de vida, é uma nova criatura. Sendo assim, sua vida passa por mudanças visíveis, o que significa deve haver um “antes era assim” e um “agora é assim”. Eis algumas das mudanças que devem ocorrer:

a)      Compreensão espiritual da Bíblia (cf. Jo 14.26; 16.13);

b)      Repulsa pelo pecado (cf. Ef 5.3-14);

c)      Desejo de estar com Deus (amor a Deus, cf. Mt 22.37);

d)      Desejo de estar com outros filhos de Deus (amor ao próximo, cf. Mt 22.39).

CONCLUSÃO E DESAFIOS

1.      Você é cristão porque seus pais, parentes ou amigos são cristãos? Ou foi uma escolha pessoal que você fez?
2.      Você se considera cristão porque freqüenta uma igreja, seja ela evangélica ou católica?

3.      Você tem certeza de sua salvação?

4.      Você tem manifestado em sua vida a marca de um filho de Deus?

5.      Você gostaria de confirmar sua decisão por Cristo?

6.      Você gostaria de entregar sua vida a Cristo?



IGREJA BATISTA DO CALVÁRIO – SÃO JOÃO DO PARAÍSO – MG

sábado, 1 de abril de 2017

E O DINHEIRO? – AULA 91 - LIÇÃO - 01 - FASE 3 -01.03-2017


                                INTRODUÇÃO

Na reunião de hoje, encerraremos a série “Grandes Perguntas sobre a Fé Cristã”. A última pergunta a ser abordada hoje é: “E o dinheiro?!”. A Bíblia tem uma interessante estatística. Cerca de 2000 versículos falam sobre dinheiro, enquanto apenas 278 discorrem sobre salvação. Surpreendente, não?! Há dez vezes mais espaço para temas relacionados ao dinheiro do que para os ligados à salvação nas páginas bíblicas. Isso nos mostra a grande importância dada por Deus a esse assunto. O Senhor sabe como o dinheiro é fundamental para a vida humana e como ele pode ser uma benção ou uma maldição. Tendo isso em vista, a lição de hoje tratará sobre o “amor ao dinheiro”. Que o Espírito Santo nos liberte desse grande mal!

DESENVOLVIMENTO DO ENSINO

A questão não é o dinheiro. Ter dinheiro não é um problema. O dinheiro

é   um excelente servo. O problema é o amor ao dinheiro, ou seja, quando

é    o dinheiro que nos tem. O dinheiro é um péssimo senhor. A Bíblia diz:

“Pois o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram com muitos sofrimentos” (1Timóteo 6.10). O apóstolo Paulo parece estar exagerando nesse texto ao falar dos malefícios do amor ao dinheiro. Ele diz que o amor ao dinheiro é a origem de TODOS os problemas. Entretanto, não é um exagero! De fato, muitas pessoas geram diversos tipos de problemas e consequentes sofrimentos para si por causa do amor ao dinheiro.


Pare e pense: Que tipos de problemas e consequentes sofrimentos você ou pessoas conhecidas por você geraram para si por causa do amor ao dinheiro?

Um malefício do amor ao dinheiro explicitamente citado no texto acima é o desviar-se da fé. Isso quer dizer que o amor ao dinheiro pode interferir negativamente em nosso relacionamento com Deus, nos afastando dele. Jesus disse: “Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro” (Mateus 6.24). É impossível amar a Deus e o Dinheiro ao mesmo tempo. No coração humano há apenas um trono e um altar. Sendo assim, não há como a devoção do ser humano estar voltada simultaneamente para dois deuses concorrentes. No caso, ou ele serve e adora a Deus ou ao Dinheiro (note que, no versículo acima, Dinheiro está com “D” maiúsculo, o que significa que, nesse texto, ele é tratado como deus. No texto original, a palavra para Dinheiro é “Mamom”).

Segundo Jimmy Stier, missionário e fundador da Jocum no Brasil, há treze sinais da presença do amor ao dinheiro (ou seja, da influência de Mamom) na vida de uma pessoa. Aborde cada um desses sinais e, enquanto o faz, peça aos participantes para identificarem a presença ou não deles em suas vidas, dando exemplos disso.

1.      Descontentamento por não ter dinheiro e o que ele pode proporcionar (Hebreus 13.5; Filipenses 4.11-13);
2.      Preocupação e ansiedade (Mateus 6.25-33);

3.      Impaciência quanto ao ato de comprar, ou seja, comprar tendo o dinheiro ou não para isso (Pv 21.3);
4.      Dívidas atrasadas;

5.      Cobiça, ou seja, desejar ter as coisas dos outros ou ficar descontente com a vitória dos outros (Provérbios 28.22);
6.      Avareza, ou seja, fazer planos tendo por base o Dinheiro;

7.      Sentir-se inferior por não ter dinheiro ou superior por tê-lo;

8.      Tratar os que têm dinheiro e os que não o têm de maneiras diferentes (Tiago 2.1-4);
9.      Brigar por causa do dinheiro (Tiago 4.1-5);

10.  Não gostar de dar dinheiro (Provérbios 11.24);

11.  Não gostar daqueles que te pedem dinheiro (2Coríntios 9.7);

12.  Mentir, roubar, enganar para ter mais dinheiro;

13.  Ser irresponsável com as obrigações financeiras.


PERGUNTAS DE REFLEXÕES E DESAFIOS

Pare e pense: Você ama ao dinheiro?

É tempo de ficar livre da influência de Mamom. Para isso, alguns passos são necessários:

1.      Reconhecer que o amor ao dinheiro é pecado;
2.      Confessar o amor ao dinheiro a Deus e a alguém como pecado (1João 1.9; Tiago 5.16);

3.      Arrepender-se do amor ao dinheiro. A melhor maneira de se fazer isso é com uma atitude contrária, ou seja, desprendendo-se do dinheiro, isto é, dando-o generosamente. A Bíblia tem um excelente exemplos disso: Zaqueu (Lucas 19.1-10).


IGREJA BATISTA DO CALVÁRIO – SÃO JOÃO DO PARAÍSO – MG

segunda-feira, 13 de março de 2017

O povo de Deus precisa de pregação e de ensino

Ao longo dos anos, não deixei em secreto a minha admiração por homens como Martinho Lutero e João Calvino, que foram tão influentes na recuperação do evangelho durante a Reforma Protestante do século XVI. Eu fico maravilhado com seus intelectos imponentes e capacidade de permanecerem firmes em meio a muitos perigos. O amor deles pela verdade bíblica é um exemplo a ser seguido, e à medida que me aproximo de vinte anos de pregação semanal em Saint Andrew’s Chapel, sou particularmente grato pelo seu modelo pastoral. Os dois homens foram “célebres” em seus dias, mas nenhum deles passou seus anos viajando pela Europa, a fim de consolidar um movimento de seguidores. Em vez disso, ambos se dedicaram à sua vocação primária de pregar e ensinar a Palavra de Deus. Ambos eram pregadores incansáveis ​​— Lutero em Wittenberg, na Alemanha, e Calvino em Genebra, na Suíça. Eles consideraram seriamente o ministério da Palavra de Deus, então, quando eles falam sobre a tarefa do pregador, eu presto muita atenção.
Há mais de uma década, fui convidado a dar uma palestra sobre a visão de Martinho Lutero sobre a pregação e descobri que a preparação para esse exercício era inestimável para meu próprio trabalho como pregador. Descobri também que aquilo que Lutero tinha a dizer sobre a pregação não era apenas para o pastor, mas também para toda a igreja, e é surpreendente quão atuais as suas palavras permanecem em nossos dias.
Uma das ênfases que encontramos repetidamente nos escritos de Lutero é que um pregador deve ser “apto a ensinar”. Em muitos aspectos, essa não é uma grande descoberta, pois ele está apenas reafirmando as qualificações que são estabelecidas no Novo Testamento para os anciãos da igreja (1 Timóteo 3.2). Contudo, considerando o que esperamos dos nossos pregadores hoje, as

quinta-feira, 9 de março de 2017

Dicas para lidar com o vício e a mentalidade inconstante

Mez McConnell

Uma coisa que eu aprendi como um ex-viciado (e trabalhando extensivamente com eles) nos últimos 20 anos é que, em geral, gostamos (se não amamos) das coisas que muitas vezes nos controlam. A dependência pode ser um monstro tão estranho porque, por um lado, queremos desesperadamente mudar e, por outro lado, não. Nós amamos e odiamos o que nos escraviza, ao mesmo tempo. Essa é uma condição que muitas pessoas vivem e têm vindo a (tristemente) aceitar ao longo dos anos.
Muitas vezes, quando as pessoas vêm para aconselhamento, inevitavelmente discutiremos como elas se sentem impotentes para mudar suas atuais circunstâncias de vida. Elas se sentem fora do controle. Elas estão cansadas de suas vidas. Elas acreditam e fazem certas coisas porque pensam que essas coisas lhes darão mais controle e os tornarão felizes. É por isso que temos tais problemas com dependência em nossa sociedade. Odiamos as coisas que fazemos e, ao mesmo tempo, precisamos delas para nos ajudarem a lidar com nossas vidas sem esperança. Quando os viciados começam a fazer seja o que for, geralmente era por ser divertido, mas quando essa questão chega à minha porta, não é mais divertido para eles. Na verdade, exatamente aquilo que eles costumavam controlar, agora os controla. Assim, ao lidar com viciados, eu gosto de fazer às pessoas a seguinte pergunta:

Quais são algumas das coisas que atualmente estão controlando sua vida?

Bebida, drogas, pensamentos, luxúria, pessoas, etc. A lista pode ser infinita. O vício (que tratamos como uma forma de idolatria) não necessariamente é relativo a produtos químicos. Muitas vezes, a vida das pessoas pode assemelhar-se um pouco a um cabo-de-guerra. Elas são puxadas em uma

COMO TER CERTEZA DE MINHA SALVAÇÃO? – AULA 90 - LIÇÃO -49 - FASE 2 -22.02-2017


INTRODUÇÃO

Na reunião de hoje, daremos continuidade à série “Grandes Perguntas sobre a Fé Cristã”. Com certeza, todos nós temos inquietantes perguntas sobre a nossa fé, as quais, vez por outra, surgem em nosso caminho e para as quais queremos encontrar respostas. O objetivo desta série, então, é abordar as dúvidas mais comumente presentes nas mentes de cristãos, sejam eles novos ou antigos na jornada da fé, e oferecer-lhes respostas bíblicas.

A pergunta a ser abordada hoje é: “Como ter certeza de minha salvação?”. Essa pergunta, juntamente com “O que acontece com as pessoas após a morte?”, por estar relacionada ao nosso destino eterno, é uma das que desperta mais curiosidade e preocupação. Que o Espírito Santo nos mostre claramente se fomos ou não salvos e, se o fomos, que ele nos dê a segurança da certeza!

DESENVOLVIMENTO DO ENSINO

Há muitos textos bíblicos que tratam sobre salvação. Isso faz sentido, já que salvação é o principal tema da Bíblia. A história registrada no Antigo Testamento diz respeito à revelação e construção progressiva do plano de salvação de Deus para a humanidade, o qual tem seu clímax e consumação em Jesus Cristo, no início do Novo Testamento, e sua aplicação na história seqüente, a história da Igreja, que tem seu começo registrado em Atos dos Apóstolos e nas cartas e epístolas neotestamentárias. O fim dessa história da salvação é contado em Apocalipse, estando também presente em outros escritos bíblicos.

Ao se buscar, nos textos bíblicos que tratam sobre salvação, respostas à pergunta proposta por esta lição (“como ter certeza de minha salvação?”), encontra-se, em síntese, quatro respostas. Essas respostas dizem respeito às provas, ou evidências, de que uma pessoa foi salva. Vamos a elas:
1.   FÉ EM JESUS

A fé em Jesus é a primeira base para a certeza quanto à salvação. Aliás, todas as demais provas são evidências conseqüentes dessa fé. Para uma pessoa ser salva, de acordo com a Bíblia, ela tem que crer em Cristo. Sem a fé em Jesus, uma pessoa não está salva. Sendo assim, uma pessoa descrente em Cristo não tem motivos para ter incertezas quanto à sua salvação. A resposta é simples; ela não está salva. Por outro lado, aquele que crê em Cristo, pode ter a segurança da certeza de estar salvo. João 3.16-18,36 diz: “Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus. (...) Quem crê no Filho tem a vida eterna; já quem rejeita o Filho não verá a vida, mas a ira de Deus permanece sobre ele”.

Vale lembrar, que, biblicamente, crer não é apenas acreditar, mas, sim, confiar. Há muitas pessoas que acreditam em Deus e em Jesus, ou seja, pensam que Deus existe e que a história de Jesus é verdadeira, mas não são salvas. Não são salvas porque, apesar de acreditar, não entregam em confiança suas vidas a Jesus, como “o caminho, a verdade e a vida” (João 14.6), ou seja, não têm Jesus como seu Salvador e Senhor pessoal.

2.   FRUTOS DE ARREPENDIMENTO

Uma pessoa verdadeiramente salva, ou seja, que crê em Cristo, de acordo com a Bíblia, manifestará em sua vida frutos de arrependimento. Foi isso que João Batista disse a alguns judeus que supostamente criam em Deus: “Raça de víboras! Quem lhes deu a idéia de fugir da ira que se aproxima? Dêem fruto que mostre o arrependimento” (Mateus 3.7-8). Arrependimento, no contexto bíblico, significa mudança de atitude. O que João Batista, então, estava dizendo para aqueles judeus, é que, se eles verdadeiramente tinham fé em Deus, eles deveriam manifestar mudanças de atitudes em suas vidas, quais sejam, deixar de praticar o mal e passar a praticar o bem.

Quanto a isso, há uma dura palavra de Jesus, registrada no chamado “Sermão do Monte”:

(Mateus 7.15-23). Todo aquele que verdadeiramente crê em Jesus dará frutos de vida correspondentes à sua fé. Semelhantemente, todo aquele que não crê em Jesus dará frutos de vida correspondentes à sua falta de fé. O fruto da fé, ou o bom fruto, é fazer a vontade do Pai que está nos céus. O fruto da falta de fé, ou o fruto ruim, é praticar o mal. Sendo assim, aquele que foi salvo, busca fazer a vontade de Deus, manifestando frutos de arrependimento.



3.   PRESENÇA E TESTEMUNHO DO ESPÍRITO SANTO

Uma terceira prova, ou evidência, de que uma pessoa foi salva é a presença e o testemunho do Espírito Santo. 1João 4.13 diz: “Sabemos que permanecemos nele, e ele em nós, porque ele nos deu do seu Espírito”. Efésios 1.13-14 diz: “Quando vocês ouviram e creram na palavra da verdade, o evangelho que os salvou, vocês foram selados em Cristo com o Espírito Santo da promessa, que é a garantia da nossa herança até a redenção daqueles que pertencem a Deus, para o louvor da sua glória”. Todos aqueles que foram salvos receberam o Espírito Santo, o qual é a garantia dessa salvação. Confirmando essa idéia, em 1Coríntios 3.16-17 e 6.19, Paulo diz que os crentes são a morada do Espírito Santo. Além disso, Paulo também diz: “Todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. (...) O próprio Espírito testemunha ao nosso espírito que somos filhos de Deus” (Romanos 8.14,16). De acordo com João 1.12, é filho de Deus aquele que crê em Jesus. Sendo assim, aquele que crê em Jesus é guiado pelo Espírito Santo e recebe, no seu espírito, o testemunho e a confirmação de que ele é filho de Deus.

4.   PERSEVERANÇA NA FÉ

A quarta e última prova da salvação é a perseverança na fé. Não defendemos que a perseverança dos santos é o único meio pra salvação, mas cremos que aquele que verdadeiramente foi salvo, irá perseverar em sua fé em Cristo até o fim de sua vida ou da História, ou seja, a perseverança é uma evidência. Por outro, aquele que perseverar até o fim de sua vida ou da História será salvo, ou seja, a perseverança é uma exigência. 1Pedro 1.3-5 diz:
O que esse texto explicitamente diz é que aquele que crê em Cristo pode ter a segurança da certeza de que está salvo e de que nada, nem ninguém, poderá mudar isso! O próprio Deus se encarrega de guardá-lo! Quanto a isso, Paulo também diz em Romanos 8.35,38-39:

Se por um lado a perseverança é uma evidência, por outro ela é uma exigência. Aquele que não perseverar na fé não será salvo. Pode-se dizer que a não-perseverança é uma evidência de que, na verdade, nunca houve salvação. Pelo menos duas vezes Jesus disse que “aquele que perseverar até o fim será salvo” (Mateus 10.22; 24.13). A Bíblia também diz: “Disse Jesus aos judeus que haviam crido nele: ‘Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos. E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará’” (João 8.31-32). Hebreus 3.14 diz ainda mais: “Pois passamos a ser participantes de Cristo, desde que, de fato, nos apeguemos até o fim à confiança que tivemos no princípio”.
Como explicar, entretanto, a situação de uma pessoa que, após participar da igreja durante um tempo, se afasta, não perseverando na fé? A Parábola do Semeador nos dá uma pista de resposta. Nessa parábola, são apresentados quatro tipos de solos que, na verdade, representam quatro tipos de pessoas. O segundo e terceiro solos representam pessoas que ouvem a Palavra e a recebem. Entretanto, permanecem por pouco tempo, abandonando a Palavra. A segunda por causa de tribulação ou perseguição e a terceira por causa das preocupações desta vida e do engano das riquezas (cf. Mateus 13.1-23). Sendo assim, essa parábola nos diz ser possível pessoas participarem da igreja e experimentarem um pouco do evangelho sem, de fato, crerem em Cristo e serem salvas, razão pela qual elas não perseveram na fé. Repare que a condição para que a semente, que é a Palavra de Deus, dê frutos duradouros, é um solo bom, ou seja, um solo que foi preparado para a semeadura, o que representa um coração que experimentou o novo nascimento.

CONCLUSÃO

Temos que concluir essa lição em dois momentos:

1.      Você crê em Cristo Jesus e, assim, já foi salvo? Se não, essa é uma excelente oportunidade para fazê-lo.

Posto isso, prossigamos:

2.      Se você crê em Cristo, tenha a segurança da certeza de estar salvo;

3.      Entretanto, se pensa e diz crer em Cristo, tem que manifestar em sua vida as seguintes provas e evidências:
          Frutos de arrependimento;

          Presença e testemunho do Espírito Santo;

          Perseverança na fé.

IGREJA BATISTA DO CALVÁRIO – SÃO JOÃO DO PARAÍSO – MG

MINI P70 EM CURRAL DE DENTRO - 17/11/12

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

PROJETO APASCENTAR - DISTRIBUIÇÃO DE REVISTA

19º ENCONTRO DE PASTORES - IBIASSUCÊ - BA - 05-09/12

5º ANIVERSÁRIO DA UNIÃO DE JOVENS DA IGREJA BATISTA DO CALVÁRIO - 2012

FAÇA PARTE DA IGREJA BATISTA DO CALVÁRIO VOCÊ TAMBÉM

Uploaded with ImageShack.us

P70 22-25 / 2012 - EM NINHEIRA

ACAMPAMENTO DE INVERNO 22-25 DE JUNHO DE 2012

POSTE LINK DO BLOG NO TWITTER

COMENTE EM MEU TWITTER USANDO O LINK ABAIXO